3 motivos que nos conduzem à procrastinação


Analise os seus hábitos diários: está verdadeiramente a procrastinar ou a priorizar e a adiar uma determinada ação, de forma a cumprir com os seus objetivos?

Este artigo é um convite à reflexão individual e tem como objetivo deixar-lhe estratégias várias para o ajudarem a vencer a procrastinação.




1. pro·cras·ti·nar

Procrastinar é adiar uma tarefa, sem motivo. Trata-se de um dos maiores sabotadores internos do Tempo, aqueles que prejudicam a nossa gestão do Tempo, com consequências ao nível da produtividade e eficiência.


Existem vários comportamentos que se podem confundir com procrastinação contudo, diferenciam-se bastante do simples adiamento sem motivo. Vejamos o exemplo de alguém que num dia acelerado e cheio de tarefas para cumprir, decide parar e priorizar as tarefas que tem pendentes. Chega ao final do dia, e percebe que ainda tem tarefas que às quais não conseguiu dar uma resposta. Este comportamento não é procrastinar é priorizar e priorizar é uma excelente estratégia de gestão do Tempo.


Na mesma linha, gostaria que pensasse na seguinte situação: imagine que tem de tomar uma decisão bastante importante mas ainda não conseguiu reunir todas as informações que necessita para que possa decidir. Adiar uma tarefa neste contexto é uma estratégia de gestão do Tempo e, diria eu, uma decisão sábia.



2. Hábitos de procrastinação


Para conseguirmos diferenciar e identificar os nossos hábitos de procrastinação, proponho liste as tarefas que tende a adiar e que reflita sobre elas. Uma lista pode ser muito útil para vencer os hábitos de procrastinação.

Assim:

  1. Comece por listar as tarefas que tende a adiar.

  2. Quais as tipologias de tarefas que aparecem na sua lista. Há algo em comum? Consegue encontrar um padrão?

Tal como tenho escrito em outros artigos anteriores, no âmbito a Gestão Consciente do Tempo, para que possamos agir em vez de reagir, necessitamos de trabalhar a nossa atenção no momento presente, contrariando o "modo piloto automático". Este é mais um convite para se manter atento, por forma a identificar quais os seus reais hábitos de procrastinação.



3. 3 motivos que nos conduzem à procrastinação





1. Falta de confiança:

Quando as pessoas comparam as tarefas que evitam com aquelas que nunca evitam surgem reflexões interessantes. Uma delas é que se apercebem que evitam determinadas tarefas por falta de confiança ou perceção de competência em áreas específicas.


Quais as estratégias que sugiro:

(a) Reforce as suas habilidades e autoconfiança;

(b) Substitua pensamentos negativos por mensagens positivas: "eu tenho novas competências e esta tarefa é uma excelente oportunidade para as colocar em prática";

(c) "Antes feito que perfeito": defina metas realistas, ao contrário de metas muito altas e irreais;

(d) Visualize o seu sucesso ao longo do processo e confie nisso para vencer a procrastinação.




2. Sentir-se sobrecarregado:

O volume de trabalho é enorme e não sabe por onde começar?


Sugiro que:

- Divida uma grande tarefa em tarefas menores que sejam gerenciáveis. Selecione apenas algumas tarefas para cada dia e continue a sua lista até à conclusão da sua tarefa.

- Defina prazos intermédios para a concretização das suas tarefas mais pequenas. Esta estratégia irá contribuir para que cumpra o seu objetivo final e trabalhe de uma forma mais eficaz.



3. Reconhecimento de ausência de prazer e significado na tarefa

Sente que a vida é mais ou menos uma série de rotinas que tem de realizar e não uma série de atividades nas quais se quer empenhar?

Quando avaliamos tarefas como "obrigações" estamos a reconhecer que as mesmas não nos dão prazer ao ser executadas e são desprovidas de sentido para nós.

Contudo algumas obrigações são inevitáveis. O objetivo não é "livrarmo-nos" totalmente das obrigações, mas reduzi-las tanto quanto possível e substituí-las por coisas que queremos fazer.


Pode adotar as seguintes estratégias:

- Recompensar-se ao concluir a tarefa, tendo sempre em conta que a recompensa adicional é sempre a satisfação pessoal de a ter realizado.

- Comece por 15 minutos. Apenas 15 minutos! Comprometa-se a trabalhar na tarefa pelo menos 15 minutos. Pode até colocar um cronómetro. No final deste período, quando o alarme soar, pergunte-se: "Ainda odeio esta tarefa tanto quanto pensava?"

O que muitas vezes acontece é que quando iniciamos uma tarefa, a mesma adquire outro significado e acabamos por continuar a trabalhar nela.








Sofia Pereira



Fundadora da Academy4you e da Academia pais Sem pressa e autora do conceito de "Gestão Consciente do Tempo".


Distinguida com o Selo Slow Coaching, pelo Slow Movement Portugal. É a primeira e única profissional com esta distinção, em Portugal.


Certificação Internacional em Coaching Neurolinguístico. Educadora parental em Disciplina Positiva, certificada pela Positive Discipline Association – EUA. Certificação em Inteligência Emocional e Social. Professora de Mindfulness e meditação. Formadora certificada. Experiência em Coordenação de equipas. Experiência como Docente no Ensino Superior. É licenciada em Serviço Social, Pós-graduada em Análise e Intervenção Familiar, pela Faculdade de Psicologia da Universidade de Coimbra.



Vai querer continuar a viver entre o passado


e o futuro ou escolhe viver o agora?



Para si que não gosta de viajar sozinho e quer ser conduzido nesta viagem da Gestão Consciente do Tempo.




Saiba mais aqui!





De todos, alguns controlamos e outros não!



29 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo